Bem-vindo/a ao blog da coleção de História nota 10 no PNLD-2008 e Prêmio Jabuti 2008.

Bem-vindos, professores!
Este é o nosso espaço para promover o diálogo entre as autoras da coleção HISTÓRIA EM PROJETOS e os professores que apostam no nosso trabalho.
É também um espaço reservado para a expressão dos professores que desejam publicizar suas produções e projetos desenvolvidos em sala de aula.
Clique aqui, conheça nossos objetivos e saiba como contribuir.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

A tecnocracia desvairada de Veja

É um fato deplorável, mas real, que os professores, em sua maioria, são mal preparados, e regurgitam em suas aulas os mesmos chavões que ouviram um dia (apenas ouviram, já que, como seus alunos, pouco lêem).

Mas será verdade que devemos nos curvar às formas de capitalismo neoliberal da atualidade? Será que as chocadeiras robotizadas são a solução para as angústias que a população mundial - ricos ou pobres, capitalistas ou socialistas - vivem?

Parece que a Veja quer nos impedir de discutir como o trabalhador deve usar a máquina a seu favor. Quer desclassificar aulas brilhantes como a do Colégio Dom Bosco de Goiânia, conduzidas por professores ativos como Marcos Santos, com os alunos democraticamente colocados em roda, experimentando ares diferentes das quatro paredes de uma sala de aula, e ilustradas por músicas emblemáticas como a dos Titãs. Quer que nos curvemos à tecnologia como o único deus verdadeiro, e que aceitemos, conformados, nossa posição na sociedade, gratos por poder comer um frango de R$ 5,00.

Mas será que a produção agropecuária enormemente acrescida pelo deus-tecnologia está servindo ao propósito básico de manter a humanidade alimentada? Será que essa divindade nos tornou mais fraternos? Não é o que vemos nos noticiários, sob as pontes ou nos faróis.

Veja se lamenta pela derrota de Einstein imposta por Freire. Eu regozijo! Não vamos falar do absurdo da comparação infantil, nem dos erros crassos em livros didáticos, confundidos por Veja com manipulação ideológica, mas por que a estranheza? Claro, a suposta superioridade das Exatas sobre as Humanas (note-se: ambas, ciências). Esse lamento traz o ranço dos anos do pós-guerra, quando se acreditou que a tecnologia faria a humanidade mais feliz e igualitária. Será que conseguimos?

Conheci tão poucos pais que ficaram satisfeitos com a opção de um filho pela pedagogia, no lugar da engenharia que sequer apareceriam numa estatística. Nenhuma escola que tenha equiparado a carga horária de Arte à de Matemática. O número de aulas de que dispõem os professores de geografia e história tão covardemente atacados pela Veja é tão ínfimo que certamente não seria capaz de abalar os alicerces do capitalismo (se assim o quisessem). Ao contrário, as aulas de Exatas, preparadas para manter a ciência em seu status de suprema sabedoria (através da linguagem inacessível e distância do cotidiano que muitos professores insistem em manter, para segurança de sua própria incompetência) e exaltar a sociedade tecnocrata, abarrotam a grade horária, para desespero dos alunos. Não é de se espantar que livros de Exatas, com todos os seus preconceitos, não tenham sido alvo dos ataques de Veja. Em tempo: este que vos escreve é um convicto professor de química.

Convenhamos: certamente preferimos o estereótipo do "velho descabelado" inspirado em Einstein do que o do "velho barbudo", como tão desrespeitosamente Marx é referido na reportagem.

Veja diz que ensinamos para um mundo que acabou. Digo que ainda não conseguimos fazer esse mundo sequer acontecer. Nunca, em mais de dez anos nas salas de aula, consegui me despir das coisas em que acredito. Muitas vezes estava errado (muitas vezes cheguei ao certo pelos meus alunos), mas isso é o que nos faz humanos.

A ciência não é isenta! Não foi a luta da suposta democracia contra o nazismo que criou a bomba atômica? Einstein nem teria tido participação nisso se seu colega Szilard, tão politicamente engajado, não o tivesse convencido a apor sua renomada assinatura na famosa carta entregue a Roosevelt. Foi também a disputa entre capitalismo e socialismo pela hegemonia que lançou homens ao espaço. É nossa obrigação, professores, discutir isso! A neutralidade é tão perigosa quando a ditadura ideológica.

A Veja, citando Arendt, diz que a figura adulta do professor impõe sua ideologia. Se esquece que, passados 50 anos, gradativamente estamos conseguindo que o professor deixe seu pedestal de mestre e conviva como parceiro dos educandos. O mesmo vem acontecendo, timidamente, com outros profissionais, mas muito pouco ainda com os cientistas, os deuses da nossa sociedade capenga. Importante notar que a maioria dos cientistas não quer esse papel: nós é que os entronizamos.

É verdade, os professores pouco sabem a respeito de Marx, Guevara e Freire. Eu mesmo, dos dois primeiros, nada li. Mas também nada sabem sobre Einstein, criando uma visão unilateral e falsa do trabalho dos cientistas: a de que seu único objetivo é o bem da humanidade. É mais fácil para mim acreditar que a única finalidade de Che era libertar os oprimidos da miséria. Não temos que nos perguntar sobre como esses objetivos pretendem ser atingidos, ou o fim justificará os meios?

O desemprego não é alto em "países com baixa inserção tecnológica" pela falta de robôs, mas sim pela falta de qualificação profissional. Daí o importante papel da educação básica, que deve envolver toda a sociedade. Mas a maioria está ausente desse processo, bem como os pais - talvez trabalhando nas chocadeiras robotizadas que garantem nosso frango a R$ 5,00.

Eu gostava de discutir com meus alunos, nas primeiras aulas, que não há uma verdade, mas várias, que dependem das experiências pessoais de cada ser humano. Do ser humano, e não da tecnologia. Esta deve ser mantida em seu lugar, como ferramenta. E a "verdade científica" passa a ser a grande mentira.

Marcelo Dias Pulido
Editor Assistente - Editorial Didáticos Ática
Ciências, Biologia e Química
********
Leia também:
E quem nos livrará do jornalismo das trevas de Veja

7 comentários:

claudia cardoso disse...

Obrigada pela publicação deste inspirado artigo!

JoãoMaria Andarilho Utópico disse...

Olha a revista veja já perdeu a credibilidade a muito tempo, muito obrigado por vc postar este artigo.
A revista veja é cheia de falcatruas, e só vermos a dOddiê feito pelo jornaista e ecônomista Nassif.

é disse...

Olá professor João, bem-vindo.
Há outro texto logo abaixo de minha autoria sobre a mesma temática:
http://historiaemprojetos.blogspot.com/2008/08/e-quem-nos-livrar-do-jornalismo-das.html

abraços
Conceição

Maria Imaculada G Santos - T. Otoni-MG disse...

Bravo, Bravíssimo!!!
Fui assinante de Veja por mais de 20 anos e a pelo menos 8 deixei de assiná-la por não concordar com a postura tendenciosa que a publicação adquiriu. Enquanto pequenos e estúpidos reis como o pseudo cientista político Diogo Mainardi dentre outros nela escrever, haverá de sobrar nas bancas como tem acontecido ultimamente.
Parabéns pelo corajoso e lúcido post.
Maria Imaculada G Santos
Teófilo Otoni - MG

Semíramis Alencar disse...

Oi, Conceição
Td bem? Tb sou professora e tenho dois blogs um sobre educação outro sobre variedades. Conhcei seu maravilhoso blog através de um amigo pela lista blogs educativos que indicou etse teu artigo. É concordo com vc quando diz que nossos professores pouco ou nada sabem sobre Marx, Guevara ou Freire - na realidade todo mundo finge que acha, mesmo nas universidades a visão é distorcida de acordo com o professor que você estiver sendo assistida. As distorções que acontecem no cenário da Veja não são muito diferentes das mesmas distorções que encontramos no nosso dia a dia dos políticos, com suas armações e patuscadas que distorcem de bom gosto as reais necessidades de cada munícípio ou estado. Ainda bem que nossos olhos estão bem abertos, não mais para transformar a educação, mas para revolucioná-la
Abraços e visite meu espaço tb!
http://educandooamanha.blogspot.com
http://nequidnimis.wordpress.com
Semíramis

Frederico disse...

Olá Conceição,

Parabéns pela publicação desse brilhante artigo do Marcelo. É muito bom saber que ainda existe um pouco de lucidez entre as pessoas e que algumas também se recusam a acreditar no que é publicado na Veja.

Um abraço e até mais.

Sabino Verdureiro disse...

Já dizia o bom e velho Gasset: "[As esquerdas e as direitas] continuam a ser uma estupidificação típica dos que sofrem de hemiplegia mental e que nos querem binarizar, de forma maniqueísta, conforme a aprendizagem juvenil dos amanhãs que cunhalizam ou salazarizam. Porque a direita a que chegámos resulta da esquerda que temos, principalmente quando a direita a quem concedem o direito à palavra é a direita que convém à esquerda, onde os que emergem são sempre os que representam as caricaturas do autoritarismo, do capitalismo de faca na liga, com chapéus de coco e almas de corsário, do anti-ecologismo e do colonialismo mais serôdio", acrescento por minha conta um "e vice-versa" no final do texto para completar meu argumento...

Seus argumentos são muito interessantes. Mas acho que você peca pela mesma acusação que faz a Veja: Genaliza à seu favor.

Melhor seria se a esquerda e a direita parassem de se expor pelos erros ao invés dos acertos, e tentassem sair dessa espiral infinita de apontação de dedos...

Francamente, essa história já deu o que tinha que dar.