Bem-vindo/a ao blog da coleção de História nota 10 no PNLD-2008 e Prêmio Jabuti 2008.

Bem-vindos, professores!
Este é o nosso espaço para promover o diálogo entre as autoras da coleção HISTÓRIA EM PROJETOS e os professores que apostam no nosso trabalho.
É também um espaço reservado para a expressão dos professores que desejam publicizar suas produções e projetos desenvolvidos em sala de aula.
Clique aqui, conheça nossos objetivos e saiba como contribuir.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

NOVA ÁFRICA: Com pés, olhos, mentes e corações na África

Sexta-feira, 25 de setembro, às 22 hs estréia na TV Brasil a série Nova África

por: Conceição Oliveira


Compreender a África é sumamente um exercício crítico. Uma das suas metas aponta para o desvendamento de realidades encobertas por mitos, ficções e imagens fantasiosas. Indiscutivelmente, ainda que existam visões estereotipadas cultivadas contra outros povos e regiões, a África, mais do que qualquer outro continente, terminou encoberta por um véu de preconceitos que ainda hoje marcam a percepção da sua realidade. (Maurício Waldman, 2006)



Na minha África moçambicana a esperança nos olhos dos pequeninos: crianças de Beira, província de Sofala, Moçambique, voltando da escola, junho de 2009.


Desde a graduação, estimulada e sob orientação da professora Maria Odila e depois da professora Siívia Lara, professor Bob Slenes, professor Sidney Chalhoub, professora Clementina Cunha e, mais recentemente, professor Carlos Serrano, professora Anita Morais, professora Rejane Vecchia a importância dos negros na história de nosso território, assim como a história do continente africano despertaram e ainda muito me interessam.

Ao longo desses mais de 20 anos, às reflexões acadêmicas somaram-se o ativismo na luta contra o racismo e na luta pela inclusão plena à cidadania da população negra brasileira. Por meio do trabalho de formação dos professores, do trabalho de pesquisa e escrita das coleções didáticas de história, por meio dos blogs sempre focando a educação pautada na igualdade étnico-racial e, principalmente para que a 10639/03 se torne realidade em nossas academias e na Educação Básica.

Por isso, foi com imenso prazer e, ao mesmo tempo, ciente do enorme desafio que nos cabia que aceitei o convite do meu amigo, mas antes de tudo, do jornalista sério e responsável que é Luiz Carlos Azenha, para compor esta pequena equipe, formada pela produtora Baboon Filmes, para disputar o Edital da TV Brasil (leia-o aqui e aqui veja a apresentação da equipe no site do Vi o mundo).

Meninas Macua da Ilha de Moçambique fazem graça, chamam a atenção e posam para as minhas lentes. Deixei a ilha chorando. Um misto de emoção, saudades, encantamento e solidariedade invadiu-me.


Não é um trabalho fácil desconstruir inúmeros estereótipos sobre o continente africano reafirmados ao longo de séculos e vencer os inúmeros silêncios aos quais os próprios africanos foram submetidos. Nossa tarefa será dar conta em 26 programas de 26 minutos cada, divididos em dois blocos, de alguns aspectos que nos foram revelados durante as viagens.

Nova África é acima de tudo uma série jornalística que dá voz e vez aos africanos para que eles próprios falem de seus problemas e soluções. Tocaremos em feridas, problemas de diferentes ordens serão tratados ao longo da série, mas sem perdermos a perspectiva de que os africanos são sujeitos da história, não formam um bloco único e homogêneo nem em termos étnico-culturais, nem políticos, nem econômicos.

Acredito que ao conhecer um pouco mais sobre os diferentes países que visitamos e ainda iremos visitar, o público brasileiro também se impressionará com a enorme capacidade de resistência dos povos africanos.

Na ilha de Moçambique eu, a jovem Maconde Ana com suas irmãs menores e a repórter da série Nova África, Aline Midlej.

Aos ver os programas da série vocês conhecerão diferentes atores sociais deste continente: homens e mulheres trabalhadores, ativistas, artistas plásticos, políticos, escritores, cantores etc.

Em minha opinião, temos muito a aprender com a professora Diamantina que vive no Alto Ligonha, na província da Zambézia, Moçambique. Ela dá aulas, em salas rurais com teto de palha e bancos de madeira quase na altura do chão e, muitas vezes, debaixo do cajueiro para 360 alunos! Ela consegue ensiná-los com uma doçura que nos comove.


Alunos da professora Diamantina, Alto Ligonha, Zambézia, Moçambique, junho 2009.

Temos muito a aprender com a adolescente Belquiça, uma garota Macua da Ilha de Moçambique, que além de ótima aluna, neta carinhosa, dedica parte de seu tempo a tocar um projeto de rádio comunitária e educativa falando dos principais problemas que afetam a população da Ilha.

Seu Germano de Quelimane, cidade nascida em um dos braços do delta do rio Zambeze, por onde passou Vasco da Gama a caminho para as Índias, lembra-me a famosa frase de Euclides da Cunha, mas revisitada: “O africano é antes de tudo um forte”. É preciso ser portador de uma resistência hercúlea para tocar a vida em um país que foi sangrado por séculos por um colonialismo predador, depois achacado por 16 anos de guerra civil violenta e ainda assim tocar a vida, fazendo a diferença.

Nesta nova série eu espero que você aprenda o tanto que aprendi ao visitar e conhecer de perto homens e mulheres como eu e você, crianças e adolescentes como nossos filhos e alunos que, na “África Contemporânea, independentemente da frágil legitimidade de muitos Estados africanos, das suas subvalorizadas economias formais e dos seus simulacros de autoridade institucional, agarram-se à vida e à esperança, ignorando prognósticos negativos e sobrevivendo à margem de instituições, organismos e poderes que procuram acorrentá-los.” (Serrano, 2007:35)

Beleza teu nome é infância. Crianças Macua da Ilha de Moçambique, indo para a escola, junho 2009.

Espero que a série Nova África consiga despertar em você a vontade de ler, estudar e conhecer mais sobre este continente que nos é tão próximo, mas ao mesmo tempo tão desconhecido. Lembrando ainda o cuidado que devemos tomar neste esforço de conhecimento/reconhecimento do continente africano, como nos alerta o professor angolano Carlos Serrano: “para além de mero ato de vontade, a desconstrução das imagens negativas do continente faz-se com estudo, conhecimento e compreensão atentos à sua personalidade histórica, geográfica e cultural específica. (Serrano, idem, ibidem)


Assista o clip do programa de abertura da série e aqui conheça a equipe que faz a Nova África.



Veja a chamada da TV-Brasil para a série:

15 comentários:

Lígia disse...

Olá Conceição,

Ai que boa notícia. MAterial de qualidade feito por gente competente! Estou acompanhando, viu??

Um abraço e bons ventos,

Ler o Mundo História disse...

obrigada, minha querida! Pelo apoio, pela delicadeza e atenção. Esperamos corresponder às expectativas.
Grande abraço

é disse...

Acabei respondendo com o perfil da ler o mundo, Lígia, pois estava logada por ele

Antonio Ozaí da Silva disse...

Cara Conceição,

meus sinceros parabéns pelo seu trabalho. É fundamental e necessário; é uma contribuição que merece elogios.

Sugiro que, a partir das suas impressões, escreva um texto (até 10 páginas) para publicarmos na Revista Espaço Acadêmico < http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/index >. É também uma forma para divulgar o seu trabalho...

Muito obrigado.

Abraços e tudo de bom

é disse...

Obrigada, Antonio.
Espero realmente que os professores encontrem na série um bom material para dar continuidade à discussão na sala de aula.
Grande abraço
Conceição

Herval Junior disse...

Um projeto lindo! vou acompanhar pela TV Brasil, com certeza.Parabéns à você e ao Luís Carlos Azenha.

Expats Help Brazil disse...

Muito obrigado Conceição,

Excelente e maravilhoso o seu trabalho e da equipe!

Sou um engenheiro; mas alerta, aberto e curioso sobre cultura e história e, me encanta poder conhecer um pouco melhor a África de nossas origens, a verdade sobre seus povos, esperanças, mitos e religiões, a realidade sobre sua economia e problemas, esquecidos, deturpados ou escamoteados pela mídia.

Vou passar os endereços de seu blog para todos meus familiares e contatos.

Pergunta: se eu não conseguir ver o programa pela TV ele estará disponível em seu blog ou no site da TV Brasil?

Mais uma vez parabéns e muito obrigado,

Flavio

é disse...

Oi Flávio obrigadíssima pela visita.
A idéia é ao menos para as escolas a série ser posta em dvd.

Talvez a tv Brasil dado a restrição das concessões de canais no país disponibilize no site os programas
Para quem tem net em são Paulo ela passa no canal 4, mas nesta página da tv Brasil há informações de como sintonizar a o canal da tv em todo país e em cidades específica, consulte, ok?
http://www.tvbrasil.org.br/flash/comosintonizar.swf

Anônimo disse...

Parabéns
espero que esta iniciativa seja reconhecida por muitos pela sua importância
abraço
Marilia Pontes Sposito

é disse...

Querida Marília que bom receber uma visita sua aqui no blog.

Espero imensamente que consiga ver neste trabalho coletivo, fruto de nossos diálogos na educação.

Um grande abraço

Conceição Oliveira

Expats Help Brazil disse...

Conceição,
No site que você indicou há apenas a confirmação de que em Sampa passará pelo canal 4 da NET.
Enviei a seguinte msn pela página principal da TV Brasil:
É muito raro que eu possa assistir a programas pela TV.
Mas quero, e muito, assistir a toda a série Nova África.
Há como eu ver os programas pelo computador?
Alternativamente, vocês podem me enviar os arquivos ou DVDs dos programas?
Atenciosamente,
Flavio

meioconcentrado disse...

Fotos lindíssimas, projeto maravilhoso. Meus parabéns por estar sempre metendo a mão na massa e nos presenteando com coisas de qualidade.

Já pedi à minha mãe para gravar o programa. Quando voltar ao Brasil vai ser a primeira coisa que assistirei.

Abraço!

Leo Marques

é disse...

Muitíssimo obrigada Leo, eu e toda equipe agradecemos e esperamos realmente trazer contribuições pra uma reconstrução/reaproximação do continente por meio das reportagens nos países visitados
Grande abraço
Conceição Oliveira

Michell Niero disse...

Olá Conceição,

Sou o criador do Patifúndio e fiquei realmente feliz com a iniciativa deste documentário. Certamente irei assistir hoje.


Sobre o Elísio, tenho grande admiração por ele, mesmo não ainda não tendo conhecido pessoalmente. É um desses tantos que, mesmo com todas as condições adversas, procura dar a contribuição dele.

Nós lutamos contra um inimigo invisível mas perverso chamado de estereótipo. Em especial À áfrica lusófona, falta muito apraque nós brasileiros tenhamos a real consciência da contribuição cultural que eles podem dar para entender a nós mesmos.


Da minha parte, fica o convite para integrar o nosso time de colaboradores e aumentar a amplitude dessa nossa conversa com o mundo lusófono.

Meus contatos
e-mail michellniero@opatifundio.com
msn michellniero@hotmail.com


Um grande abraço

Sandra Santos disse...

Assiti e gostei...
Aqui em Recife, nós que fazemos a Política de Saúde da População Negra, também consideramos o projeto importantíssimo. Refletir criticamente nos convida sempre a identificar e denunciar práticas discriminatórias, chamadas de racismo institucional.Logo, entendemos que o Projeto Nova Áfriaca, além de contribuir com a área da educação, também colabora com a área saúde. Parabéns!