Bem-vindo/a ao blog da coleção de História nota 10 no PNLD-2008 e Prêmio Jabuti 2008.

Bem-vindos, professores!
Este é o nosso espaço para promover o diálogo entre as autoras da coleção HISTÓRIA EM PROJETOS e os professores que apostam no nosso trabalho.
É também um espaço reservado para a expressão dos professores que desejam publicizar suas produções e projetos desenvolvidos em sala de aula.
Clique aqui, conheça nossos objetivos e saiba como contribuir.

domingo, 20 de setembro de 2009

Alisando nossos cabelos II

As conquistas dos negros nos Estados Unidos são muitas, incluindo o fato de brancos e negros elegerem um negro ao cargo máximo da Nação. E isso não é pouco diante de uma história de grande segregação e uma luta acirrada pelos direitos civis.

Mas negros e brancos não conseguiram ainda se livrar da imposição cultural que atinge mulheres homens e crianças e que afeta inclusive a saúde física, além de todas as implicações para a construção da identidade da pessoa. Falo de uma verdadeira obsessão que é a de seguir o modelo padronizado dos cabelos lisos, equivocadamente denominado de 'bons' em oposição aos cabelos crespos, denominados de 'ruins'. Alguma relação desta denominação com a longa história do racismo nos EUA e no Brasil?

Visitando o blog do Tony Goes vejo a chamada para o novo filme do comediante Chris Rock: Good Hair. O comediante estadunidense se surpreendeu com a pergunta de uma de suas filhas pequenas: "papai, porque eu não tenho cabelo bom?" e resolveu fazer um documentário para discutir a questão.

Surpreendeu-me o fato de ser um homem a fazer tais reflexões, lembrando que Bell Hooks vem discutindo o tema do alisamento há décadas, veja aqui: 'Alisando o nosso cabelo'.

Segundo informa Tony Goes: "Good Hair" estreia em breve nos EUA, mas já vem causando espécie. Afinal, por mais poderosas que sejam Oprah Winfrey ou Michelle Obama, elas também se renderam ao alisamento, cedendo de alguma forma, assim como alguns homens, a um modelo padronizado e secularmente instituído.

O que me parece faltar à discussão e esperarei ansiosa para ver o documentário é observar as relações que Chris Rock traçará entre a busca deste padrão inatingível e o racismo.
Aguardemos!

2 comentários:

Roseane, disse...

Cabelo é uma questäo delicada. Tem vaidade, identidade, expressäo, forca (Sansäo, lembra?)...acho que tem de tudo. Tem gente que alisa, enrola, pinta, clareia, escurece, corta, faz o que dá na cabeca. Eua cho que é um direito de todo mundo fazer isso, mas o importa mesmo é auto estima, e as criancas sofrem muito com isso, com o modelo padronizado da ditadura da magreza, do cabelo liso, do nariz empinado, etc.
Quero ver este documentário também. Bjks e bom final de semana!!!

Vamos... abri o verbo Dança !!!!! disse...

Cabelo é fato historico
discutir o que esta por de traz, o natural as opções .. importantissimo para sujetividade perversa. Quero assistir logo..
Simone Gonçalves
negramone@hotmail.com